FILIA-TE NO PCTP/MRPP! LUTA PELO SOCIALISMO E PELO COMUNISMO! CONSTRÓI UM FUTURO MELHOR PARA TODOS! ENVIA O TEU CONTACTO PARA porto@pctpmrpp.org
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2007

A recente crise

Têm sido notícia, nas duas últimas semanas, a "queda nas bolsas", a "falta de liquidez nos mercados de capitais" e a "crise no mercado imobiliário norte-americano".

A cada tombo das bolsas sucede-se uma nova "injecção" de algumas dezenas de milhar de milhões de euros, dólares ou ienes, promovida pelos bancos centrais das principais potências acompanhada de declarações de que tudo vai estar bem, que as consequências da crise foram minoradas ou eliminadas, que é preciso ter calma (que é o "nervosismo" dos mercados que traz o problema e não outra coisa).

Concomitantemente aparecem os comentadores a explicar que é normal tais coisas acontecerem, que, após este primeiro embate, os mercados "racionalizam" e adaptam-se à nova situação sem grande problema, trata-se, afinal, de simplesmente "corrigir" o valor dos títulos. Poderá demorar mais ou menos tempo, mas os mercados acabam por estabilizar, os juros para o cidadão comum que seje devedor à banca, poderão subir, mas tudo bem. Quando se estendem nas explicações, vão papagueando, pelo meio, uns termos em inglês para darem a entender que são "peritos" no assunto e, em simultâneo, afastarem da discussão o cidadão comum. Isto é coisa só para as "altas  esferas", pensará quem se embalar na lenga-lenga.

Passemos ao que interessa, ao que nos interessa a nós trabalhadores.

 Em primeiro lugar denunciemos a actuação dos bancos centrais: as "injecções" de liquidez são maneiras de subsidiar, ulteriormente à especulação, quem viveu dessa mesma especulação, não maneiras de salvar alguma coisa de bom para o comum do cidadão. Pelo contrário, o cidadão comum, vai ser chamado, isso sim, a pagar a conta. E não vai ser só o cidadão endividado, vai ser principalmente e quase exclusivamente o cidadão que vive da venda do seu próprio trabalho.

 

Como é que isto se passa?

Em primeiro lugar, banqueiros/financeiros na sua busca incessante por "áreas de mercado ainda não exploradas" onde as "margens líquidas"  podem ser alargadas, imaginosos como são, encontraram(?) exactamente uma dessas áreas.

 

E onde a "encontraram"? 

No local onde estavam os seus já endividados clientes. O esquema foi simples: reavaliar os bens imóveis dos clientes já hipotecados, por um novo valor superior, com base numa "valorização" entretanto "ocorrida" no mercado e, nessa base, emprestar, obviamente a juros bem mais elevados, uma nova maquia. Noutra vertente do mesmo esquema de juros altos, os bens que ainda não estavam hipotecados eram avaliados acima do seu valor para servirem de garantia a empréstimos contraídos por proprietários sem rendimentos suficientes para suportar o serviço da dívida. Mas quem é que reavaliou os bens? O banco que emprestou ou empresas pertencentes a esse mesmo banco.

 

O objectivo parece obscuro à primeira vista: para quê reavaliar os bens acima do seu valor de mercado se o objectivo é que esses bens sirvam de garantia a um empréstimo?

Não é que as sobreavaliações não sejam prática comum das "altas esferas", mas a sobreavaliação dos próprios bens, não dos bens alheios, e para outros objectivos como, por exemplo, mascarar descapitalizações fraudulentas. Agora reavaliar em alta para emprestar a quem não vai poder pagar, não lembra ao diabo, mas lembrou aos novos "magos das finanças".

 

É que esses senhores, depois de fazerem muitas contas, chegaram à conclusão que as margens de lucro médias obtidas seguindo essa via, eram muito superiores às obtidas pela via "tradicional" e conservadora de emprestar só a quem tinha possibilidades de pagar.

 

Para isso contavam, e obtiveram êxito nessa expectativa (porque já tinham observado), que os clientes, fazendo todos os sacrifícios para pagarem a dívida, pagassem durante um certo tempo o serviço da dívida e, depois, quando começavam os atrasos nas "prestações", ficavam-lhes com os bens. 

 

Portanto, o esquema montado, era um sistema de espoliação dos bens das pessoas de fracos rendimentos a quem primeiramente eram arrancados o máximo de suor e de vida com a promessa da antecipação de uma vida melhor através de um empréstimo.

 

Se bem que por cá o fenómeno ainda não tenha adquirido a dimensão que adquiriu nos E.U.A., uma variante do mesmo esquema (mas com montantes para já muito menores, com outro público-alvo, embora com uma propaganda do mesmo tipo ideológico: "goze já, pague depois", esquecendo dizer que esse pagamento depois, vai ser feito em dobro ou em triplo) começa a fazer caminho: são os "créditos pessoais", os "créditos por telefone" e similares.

 

Mas não se ficaram por aqui. Depois de terem sugado o suor e o sangue dos credores, os bancos viram-se a braços com uma montanha de bens imóveis que, valendo dinheiro não eram propriamente dinheiro.

 

E é aqui que as "eminências" e "magos das finanças" se revelaram verdadeiramente. Pois se não há quem compre essas propriedades pelo preço que nós (bancos) as avaliámos, inventamos quem as compre. Na verdade, sempre encontrariam comprador se as quisessem vender pelo valor de mercado, que, ainda assim, obteriam lucro (isso devido às contas descritas anteriormente). Mas isso não chegaria para que os lucros equivalessem a um juro líquido anual pretendido acima dos 30%, portanto a "solução" foi mesmo inventar compradores.

 

E inventaram: criaram uns fundos imobiliários, que foram comprando aos bancos que haviam criado esses mesmos fundos, os bens imóveis para os quais não havia procura pelos valores pretendidos. O primeiro capital desses fundos foi providenciado pelos mesmos bancos que venderiam as propriedades abocanhadas, garantindo assim a nomeação dos gestores.

 

Esta prática, só por si, trazia não só excelentes resultados (no papel) para os bancos, como, permitindo enormes distribuições de dividendos pelos accionistas e elevadíssimos prémios de gestão e comissões aos gestores, descapitalizava os próprios bancos (na realidade). Na prática tratava-se de contabilisticamente transformar verdadeiros incobráveis ou invendáveis em aparentes lucros que, com essa máscara legal de lucros, eram rapidamente distribuídos e esbanjados pela corja do costume ou utilizados em novos negócios.

 

Este "negócio" tinha um limite: os capitais próprios dos bancos. Mas isso não foi obstáculo à sua continuação: depressa a propaganda do "elevado  e seguro rendimento" que esses fundos garantiriam, trouxe novos capitais frescos. Aqui teve de haver uma certa conivência (ou conveniência) tanto do banco central americano como das empresas que classificam o risco.

 

Na realidade não se tratou propriamente de conivência ou mesmo conveniência, foi antes o cumprimento do verdadeiro desígnio da sua (do banco central, chamado reserva federal, e das empresas de classificação de risco) criação e existência. 

 

Esse estímulo institucional adicional levou a que a subscrição pública de títulos desses fundos fosse um êxito não só entre incautos investidores particulares como mesmo entre investidores "institucionais".

 

E aqui é preciso dizê-lo, se a avareza, a "ambição" ou a ilusão da facilidade podem justificar a actuação dos subscritores particulares, os investidores institucionais (para além dessas primeiras razões) foram levados pela necessidade absoluta de o fazerem sob pena de serem absorvidos por aqueles que já o tinham feito antes.

 

A realidade do capitalismo é essa: ou comes ou és comido. E quanto mais alta a parada, mais assim funciona. A moral, nos negócios, há muito que foi enterrada. Na verdade, as "concentrações", aquisições, etc. dos últimos anos resultaram em grande medida dessa diferença entre os que arriscaram nos "novos produtos" e os que se deixaram ficar pelos "pouco rentáveis" produtos tradicionais.

 

Este é um vislumbre da auto-fagose do capitalismo. Auto-fagose essa que, em si, não é problema mas que, sim é problema, porque trás sempre consigo a miséria e a fome para povo (e muitas vezes também a guerra e a morte). Ainda agora estamos no dealbar da crise e já essas consequências se fizeram sentir para mais de 50.000 americanos que trabalhavam neste sector em particular e que foram imediatamente (nas primeiras três semanas após o despoletar da crise) despedidos.

 

É claro tudo funcionou às mil maravilhas enquanto os novos capitais entrados no sistema por subscrição pública chegaram para comprar aos bancos os bens imóveis que iam espoliando aos seus clientes. Tudo passou a correr mal quando a fonte secou e as vendas de bens imóveis tiveram que começar a ser feitas para fora do sistema. Aí o valor da carteira de bens imóveis pertencentes aos fundos teve que ser questionado e parte esboroou-se. Mas o "sofrimento"  para os beneficiários do esquema, que já tinham dado cabo da concorrência e "diversificado" os investimentos, foi nulo. Tanto mais que os bancos centrais lhes acudiram "injectando" a liquidez que passaram a necessitar. Na verdade o processo foi um pouco mais indirecto. O objectivo aparente foi outro, o de "salvar" o sistema financeiro mundial. O resultado real, bem mais mesquinho, o simples adiamento da crise e o salvamento dos especuladores. Adiamento esse que tornará pior o tombo amanhã. Não dos especuladores, que estão bem e , com esta ajuda dos bancos centrais, amanhã estarão melhor, mas dos trabalhadores que pagarão um novo imposto que vai ser uma inflação cada vez maior.

Mas para tudo há remédio e está nas nossas mãos: a revolução socialista. 

 

NACIONALIZAÇÃO DE TODA A BANCA!

ABAIXO O CAPITALISMO!

A ÚNICA SOLUÇÃO É O SOCIALISMO!

 

publicado por portopctp às 18:54
endereço do artigo | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 10 de Agosto de 2007

Uma das modalidades da escravatura moderna

De acordo com o Sindicato Trab Ind Construção, Madeiras, Mármores, Pedr., Cerâm., Mat. Construção do Norte e Viseu (SCN), cerca de 80% dos trabalhadores da construção civil e obras públicas a laborar em Portugal são precários ou clandestinos com especial incidência no Minho e Viseu. Dos cerca de 500 mil trabalhadores no sector apenas 20% têm um vínculo laboral estável. Pelas contas do sindicato que toma como salário médio o valor de 518,50 euros, serão mais  de um milhão os euros desviados da segurança social. Nesses cálculos é suposto que apenas são escondidos à segurança social 0,1% do valor médio da remuneração dos trabalhadores se forem percários ou clandestinos (basta fazer as contas: 518,5x400.000(trabalhadores)x14(meses)x0,345(taxa para a segurança social)x0,001(eventual taxa de incumprimento)=1.001.742 euros anuais). Na realidade, como toda a gente sabe, as taxas de incumprimento no sector são muito maiores, e não só relativamente aos trabalhadores precários, também existe incumprimento relativamente aos trabalhadores com vínculo laboral estável. O comum, na generalidade das empresas, é as horas extraordinárias serem pagas por “fora” bem como uma parte do salário, parte essa que não “entra” nem no 13 mês nem no subsídio de férias. Este tipo de situações têm duas implicações imediatas:

1ª - em caso de acidente no período de prestação de trabalho extraordinário, para a empresa e para o seguro, o trabalhador "lesionou-se" em casa, ou então andava a roubar materiais na obra, ou ainda, não foi fora de horas mas dentro do horário de trabalho normal que ocorreu o acidente

 

2ª - quando o patrão se "chateia" com o trabalhador, deixa de lhe pagar a parte "por fora" obrigando o trabalhador, que passa, na generalidade dos casos, a receber o salário mínimo, se tiver orgulho ou os encargos normais, a despedir-se sem receber qualquer indemnização ou até, se não der o "tempo" e for a tribunal, a pagá-la ao patrão (que, por vezes, faz figura de bonzinho a dizer que não a quer receber). Ou seja, é uma situação de ameaça permanente aos trabalhadores.

Para além destas implicações imediatas, há inúmeras outras implicações, em grande parte contrárias aos interesses dos trabalhadores como, por exemplo, o valor da reforma a receber, os valores recebidos nas situações de baixa ou seguro (que levam, muitas vezes, os trabalhadores a irem trabalhar doentes), e muitas outras.

 

De um outro ponto de vista os níveis de pagamentos por "fora" revelam a existência de uma parte substancial dos negócios da construção civil marginais (para se poder pagar "por fora" tem que se ter recebido também "por fora"), abrindo portas a falências quando bem apetece aos proprietários das empresas (basta que façam, durante um certo tempo, a parte legal dos proveitos não chegar para cobrir os custos registados na contabilidade oficial

 

A isto fecham os olhos as finanças, a inspecção do trabalho e a própria segurança social. Os bancos colaboram activamente bem como os cartórios de registo predial. As grandes construtoras fazem-se santas, mas vivem da exploração de situações deste tipo (grande parte dos sub-empreiteiros vive deste expediente que consiste em não pagar a parte do salário dos trabalhadores que irá ser recebida quando não podem trabalhar - na doença e na velhice).

 

A maior parte dos cidadãos, quando um dos lados da questão lhes diz respeito, ou seja, quando adquire casa, acaba por colaborar, já que lhe dizem que "pagando por fora", paga menos do que se pagasse tudo legalmente. Ou seja, na versão da história contada ao cidadão comprador de casa,  todos beneficiam com o incumprimento, e já que é assim, se não se prejudica ninguém e os riscos são nulos, esse cidadão acaba por colaborar.

 

Como se quebra este ciclo? A mobilização cívica chegará? Ou é preciso algo mais? E quebrando este ciclo, acaba também esta modalidade de exploração do trabalho humano?

Isto são tudo questões cuja resposta nos pode pôr no caminho das soluções deste e de outros problemas.

De qualquer maneira há a denunciar que nenhum governo, após ou antes do 25 de Abril, manifestou um mínimo gesto para minimizar o problema (pelo menos na parte que dizem ser seu objectivo: diminuir o défice público e da segurança social), e nem sequer seriam necessárias grandes medidas políticas, seria apenas preciso fazer cumprir as leis que os próprios fabricaram sem pôr em causa o sistema político (pelo menos do ponto de vista teórico). Mas melhor-melhor é alterar o sistema político, é revolucionar a sociedade, é pôr no comando da sociedade a única classe que, derrubando este sistema, tem a solução: a classe operária.

ABAIXO O CAPITALISMO!

 

Baseado em correspondência do camarada P. Veríssimo

publicado por portopctp às 19:50
endereço do artigo | comentar | favorito
Sexta-feira, 3 de Agosto de 2007

O concurso das empresas e das autoridades para a concorrência

A economia do país está de rastos, igualmente as finanças do estado, idem a vida dos trabalhadores. Mas não os lucros das principais empresas e de determinados sectores de actividade. Agora foi a vez dos seguros anunciarem que pulverizaram em 2006 o anterior máximo de lucros. Logo de seguida começaram a surgir notícias de que o preço das apólices vai subir. Deve ser para, de novo, pulverizarem este novo máximo. Deve ser da famosa concorrência: todas as companhias de seguros concorrem para o mesmo objectivo de esmifrar os segurados o mais que podem.

Ainda a propósito de concorrência a autoridade da dita cuja multou a PT em várias dezenas de milhão de euros por esta não ter permitido a outras empresas a passagem de cabos pela rede de tubos da dita PT. Isso segundo a dita autoridade prejudicou os consumidores e daí a multa. Olhando aos argumentos da dita autoridade o que seria de esperar era que esses milhões fossem distribuídos pelos consumidores que entretanto tinham sido prejudicados, mas não. Não é isso que acontece. O que vai acontecer é exactamente o contrário: como a PT, caso a posição da autoridade vença, vai ter que pagar a multa, onde é que a PT vai arranjar os tais milhões? Exactamente aos consumidores, ou seja, subindo os preços ou não os baixando ao nível a que deveriam baixar função das possibilidades de desenvolvimento tecnológico. Com estes amigos os consumidores não precisam de inimigos.

A única solução não é acabar com os monopólios, é nacionalizá-los e pô-los ao serviço do povo.

 

O SOCIALISMO É A ÚNICA VIA PARA O PROGRESSO!

artigos sobre: , , ,
publicado por portopctp às 19:28
endereço do artigo | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 1 de Agosto de 2007

Os toxicodependentes não merecem uma segunda oportunidade?

O programa "Porto Feliz" acabou. Foi uma das bandeiras eleitorais do actual presidente da câmara. Sendo um programa tão importante para a actual vereação não se compreende porque é que a denúncia do contrato existente entre o Instituto da Droga e da Toxicodependência e a câmara, por parte do primeiro, tenha levado à extinção do dito programa.

Ou melhor entende-se: ou não era assim tão importante, ou os resultados não foram brilhantes, ou interessa à actual vereação fazer render a "guerrinha" que o governo lhe moveu. Pois do que se trata é disso mesmo: uma "guerrinha" promovida pelo governo e abençoada pela câmara.

Têm de afirmar diferenças. Assim providenciarão os adequados níveis de adrelanila nas suas próprias hostes. Fazem por parecer diferentes aos olhos dos cidadãos, embora prossigam igual política em todos os níveis: a política de bloco central. Estas "guerrinhas" vêm a calhar para os dois lados. Só não vêm a calhar para os toxicodependentes que, como todos os cidadãos que errem, têm direito a uma segunda oportunidade.

 

Baseado em correspondência do camarada P. Veríssimo.

publicado por portopctp às 19:27
endereço do artigo | comentar | ver comentários (3) | favorito

artigos recentes

Viva o Partido do proleta...

O 1.º de Maio é dia de lu...

Outra democracia!

Viva a COMUNA!

Viva o 8 de Março!

Viva o PCTP/MRPP!

Viva o comunismo!

Honra a Ribeiro Santos!

Viva o comunismo!

VIVA O 1º DE MAIO!

A luta da mulher pela sua...

TRABALHADORES DA SOARES D...

VIVA O COMUNISMO!

Conferência de Imprensa

1.º de MAIO é dia de LUTA...

Democracia para o Povo!

E assim está bem!

Honra aos camaradas Ribei...

Viva o Partido!

As razões para Portugal S...

Uma aula aberta

SAIR DO EURO!

Saída do euro, porquê?

A envolvente repressiva/s...

8 de Março no Porto

Viva a comuna!

Casino da Póvoa de Varzim...

Opor barreira ao avanço d...

Um enorme embuste

Três pontos apenas

ENVC: Não basta lutar É p...

Casino da Póvoa de Varzim...

VIVA O PARTIDO!

MANIFESTO contra a morte ...

ENVC: A necessidade de pa...

9 de Novembro: trabalhado...

Viva o comunismo!

Cavaco e governo, RUA!

Derrubar o governo!

Primeiro passo: derrubar ...

Mais democracia e control...

PLENO EMPREGO, apenas uma...

Habitação: um direito fun...

Transportes: um nó górdio...

Semanário de Felgueiras, ...

O Golpe de Estado de Cava...

Greve Geral de 27 de Junh...

CASINO DA PÓVOA - Subsídi...

ENVC - chegou chapa, mas ...

A vitória está ao alcance...

Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


pesquisar neste blogue

 

mais sobre nós

deixe uma mensagem

escreva aqui

arquivos

Setembro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Outubro 2014

Setembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

visitas a partir de 28 de Novembro de 2013

contador

artigos sobre

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds