FILIA-TE NO PCTP/MRPP! LUTA PELO SOCIALISMO E PELO COMUNISMO! CONSTRÓI UM FUTURO MELHOR PARA TODOS! ENVIA O TEU CONTACTO PARA porto@pctpmrpp.org

Quinta-feira, 5 de Maio de 2011

OBAMA ASSASSINO!

Transcrevemos integralmente texto do poeta e escritor António Pedro Ribeiro a propósito dos recentes acontecimentos internacionais:

"Barack Obama é um assassino. Obama, ao lado de Sarkozy, Cameron e Berlusconi, mandou matar crianças e inocentes na Líbia. Obama não é melhor que Bush. Obama é um fanático religioso que prega o bem e o mal e que enganou muito boa gente. Obama não é melhor do que Bin Laden. Obama é um agente do império. É preciso derrubar Obama e os apóstolos do bem e do mal que Nietzsche denunciou. Temos um louco fanático na Casa Branca, temos a América a pão e circo. Temos Nero e Calígula na Casa Branca. Desmascaremos os profetas da morte. Combatamo-los em nome da liberdade e da vida. Até ao fim dos tempos."

publicado por portopctp às 10:46
endereço do artigo | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Novembro de 2009

Duas comemorações

Uma enorme máquina de propaganda foi hoje mobilizada para, aproveitando o contentamento popular e a forma que assumiu o desmoronar dos regimes social-fascistas do Leste europeu, deformar e corromper a história. Falam na queda do muro como um ritual vudú, a queda do muro seria a magia pela qual teria ocorrido a queda do comunismo enquanto ideologia; e, nessa medida, também falam dela como o início de uma nova era sem muros (sim, porque, na lógica da propaganda apresentada, os construtores de muros seriam comunistas). Mas apenas decorreram vinte anos desde que o muro de Berlim foi derrubado, e já outros (não apelidados de comunistas) tiveram tempo suficiente para construirem mais e maiores muros e de igual ou pior significado (Palestina, fronteira EUA/México, para citar os mais relevantes). Portanto, no que respeita à construção de muros, a data não terá sido um marco lá muito relevante de mudança no Mundo.

Repondo a história, a construção do muro de Berlim significou, na altura em que foi construído — na madrugada de 13 de Agosto de 1961 — a consumação da vitória do social-fascismo e do revisionismo sobre as forças comunistas e da democracia popular na Europa Oriental. Sendo assim, claro que  seu derrube só pode significar a derrota desse regime social-fascista completamente corrupto e cujos quadros se encontravam ansiosos de se apoderarem individualmente do que, até aí, a legislação ainda proibia: as grandes empresas e a terra. 

A aliança que se estabeleceu na sociedade alemã foi singular: todos contra o regime (incluindo os beneficiários do regime). Mas desfez-se no segundo imediato ao derrube do regime: para um lado a classe operária que, na nova situação, apenas encontrou um novo ponto para continuar a luta contra o sistema capitalista; para o outro, os membros do aparelho e os homens de mão dos regimes do Ocidente (estes últimos, entretanto,  a exporem-se como heróis para recolherem o máximo de prémios em bens materiais e sinecuras), o início de disputas fraticidas  pela partilha dos bens expropriados. Estas têm sido disputas em tudo idênticas às ocorridas na sequência da noite dos cristais, cujo 71.º aniversário decorre também, significativamente, hoje. Nessa altura foram os bens expropriados à comunidade judaica os alvos das disputas, há vinte anos, esses alvos foram os bens colectivos  de uma classe capitalista acantonada no aparelho de estado social-fascista. Em ambos os casos o produto da expropriação foi disputado ferozmente pelos filhos do regime. É, por isso, natural que esses senhores, em público, só relembrem uma das datas e, em privado, comemorem de facto o símbolo das duas (a expropriação arbitária com objectivos mesquinhos e pessoais).

Já a classe operária vê e comemora, no aniversário do derrubamento do muro de Berlim, mais um marco na luta contra a opressão e a exploração capitalistas nas suas diversas formas, particularmente a social-fascista.

 

VIVA O COMUNISMO!

 

publicado por portopctp às 16:21
endereço do artigo | comentar | favorito
Terça-feira, 13 de Outubro de 2009

Manobras

A recente atribuição do prémio Nobel da paz ao presidente dos EUA, Barack Obama, foi entendida em todo o mundo, incluindo o próprio "galardoado", não como recompensa por um eventual trabalho em prol da paz já realizado mas como um incentivo e uma responsabilização para trabalhar para esse objectivo. Quer dizer, "todos" vêem na actividade desde que tomou posse, uma espécie de potencial  para promover a paz. Mas que foi o que fez até hoje? Disse que retirava do Iraque, mas vai  manter 1/3 das forças militares aí estacionadas que correspondem às forças que no início da invasão se previa ficarem no Iraque apenas cerca de um ano; reforçou as forças no Afeganistão bem como a pressão militar e as acções sobre civis; iniciou bombardeamentos sobre território do Paquistão violando claramente a soberania desse estado; mantem na América Latina uma forte acção de "inteligência" e de grupos especiais operacionais e tem em execução um plano de reforço das bases militares quer em quantidade quer em qualidade; aumentou fortemente o já muitissimo "gordo" orçamento militar americano sendo que, hoje, os EUA gastam mais só com armas que todos os outros países do mundo juntos em armas e pessoal militar; acobertou os ataques genocidas dos sionistas a Gaza e mantem-se em posição dúbia quanto à violação da obrigação de desmantelamento dos colonatos sionistas em território palestiniano ocupado. Tudo actos muito "pacíficos". 

Já estamos a ver qual a "paz" de que se está a falar e que se quer incentivar com estas manobras.

publicado por portopctp às 23:06
endereço do artigo | comentar | favorito
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2007

A recente crise

Têm sido notícia, nas duas últimas semanas, a "queda nas bolsas", a "falta de liquidez nos mercados de capitais" e a "crise no mercado imobiliário norte-americano".

A cada tombo das bolsas sucede-se uma nova "injecção" de algumas dezenas de milhar de milhões de euros, dólares ou ienes, promovida pelos bancos centrais das principais potências acompanhada de declarações de que tudo vai estar bem, que as consequências da crise foram minoradas ou eliminadas, que é preciso ter calma (que é o "nervosismo" dos mercados que traz o problema e não outra coisa).

Concomitantemente aparecem os comentadores a explicar que é normal tais coisas acontecerem, que, após este primeiro embate, os mercados "racionalizam" e adaptam-se à nova situação sem grande problema, trata-se, afinal, de simplesmente "corrigir" o valor dos títulos. Poderá demorar mais ou menos tempo, mas os mercados acabam por estabilizar, os juros para o cidadão comum que seje devedor à banca, poderão subir, mas tudo bem. Quando se estendem nas explicações, vão papagueando, pelo meio, uns termos em inglês para darem a entender que são "peritos" no assunto e, em simultâneo, afastarem da discussão o cidadão comum. Isto é coisa só para as "altas  esferas", pensará quem se embalar na lenga-lenga.

Passemos ao que interessa, ao que nos interessa a nós trabalhadores.

 Em primeiro lugar denunciemos a actuação dos bancos centrais: as "injecções" de liquidez são maneiras de subsidiar, ulteriormente à especulação, quem viveu dessa mesma especulação, não maneiras de salvar alguma coisa de bom para o comum do cidadão. Pelo contrário, o cidadão comum, vai ser chamado, isso sim, a pagar a conta. E não vai ser só o cidadão endividado, vai ser principalmente e quase exclusivamente o cidadão que vive da venda do seu próprio trabalho.

 

Como é que isto se passa?

Em primeiro lugar, banqueiros/financeiros na sua busca incessante por "áreas de mercado ainda não exploradas" onde as "margens líquidas"  podem ser alargadas, imaginosos como são, encontraram(?) exactamente uma dessas áreas.

 

E onde a "encontraram"? 

No local onde estavam os seus já endividados clientes. O esquema foi simples: reavaliar os bens imóveis dos clientes já hipotecados, por um novo valor superior, com base numa "valorização" entretanto "ocorrida" no mercado e, nessa base, emprestar, obviamente a juros bem mais elevados, uma nova maquia. Noutra vertente do mesmo esquema de juros altos, os bens que ainda não estavam hipotecados eram avaliados acima do seu valor para servirem de garantia a empréstimos contraídos por proprietários sem rendimentos suficientes para suportar o serviço da dívida. Mas quem é que reavaliou os bens? O banco que emprestou ou empresas pertencentes a esse mesmo banco.

 

O objectivo parece obscuro à primeira vista: para quê reavaliar os bens acima do seu valor de mercado se o objectivo é que esses bens sirvam de garantia a um empréstimo?

Não é que as sobreavaliações não sejam prática comum das "altas esferas", mas a sobreavaliação dos próprios bens, não dos bens alheios, e para outros objectivos como, por exemplo, mascarar descapitalizações fraudulentas. Agora reavaliar em alta para emprestar a quem não vai poder pagar, não lembra ao diabo, mas lembrou aos novos "magos das finanças".

 

É que esses senhores, depois de fazerem muitas contas, chegaram à conclusão que as margens de lucro médias obtidas seguindo essa via, eram muito superiores às obtidas pela via "tradicional" e conservadora de emprestar só a quem tinha possibilidades de pagar.

 

Para isso contavam, e obtiveram êxito nessa expectativa (porque já tinham observado), que os clientes, fazendo todos os sacrifícios para pagarem a dívida, pagassem durante um certo tempo o serviço da dívida e, depois, quando começavam os atrasos nas "prestações", ficavam-lhes com os bens. 

 

Portanto, o esquema montado, era um sistema de espoliação dos bens das pessoas de fracos rendimentos a quem primeiramente eram arrancados o máximo de suor e de vida com a promessa da antecipação de uma vida melhor através de um empréstimo.

 

Se bem que por cá o fenómeno ainda não tenha adquirido a dimensão que adquiriu nos E.U.A., uma variante do mesmo esquema (mas com montantes para já muito menores, com outro público-alvo, embora com uma propaganda do mesmo tipo ideológico: "goze já, pague depois", esquecendo dizer que esse pagamento depois, vai ser feito em dobro ou em triplo) começa a fazer caminho: são os "créditos pessoais", os "créditos por telefone" e similares.

 

Mas não se ficaram por aqui. Depois de terem sugado o suor e o sangue dos credores, os bancos viram-se a braços com uma montanha de bens imóveis que, valendo dinheiro não eram propriamente dinheiro.

 

E é aqui que as "eminências" e "magos das finanças" se revelaram verdadeiramente. Pois se não há quem compre essas propriedades pelo preço que nós (bancos) as avaliámos, inventamos quem as compre. Na verdade, sempre encontrariam comprador se as quisessem vender pelo valor de mercado, que, ainda assim, obteriam lucro (isso devido às contas descritas anteriormente). Mas isso não chegaria para que os lucros equivalessem a um juro líquido anual pretendido acima dos 30%, portanto a "solução" foi mesmo inventar compradores.

 

E inventaram: criaram uns fundos imobiliários, que foram comprando aos bancos que haviam criado esses mesmos fundos, os bens imóveis para os quais não havia procura pelos valores pretendidos. O primeiro capital desses fundos foi providenciado pelos mesmos bancos que venderiam as propriedades abocanhadas, garantindo assim a nomeação dos gestores.

 

Esta prática, só por si, trazia não só excelentes resultados (no papel) para os bancos, como, permitindo enormes distribuições de dividendos pelos accionistas e elevadíssimos prémios de gestão e comissões aos gestores, descapitalizava os próprios bancos (na realidade). Na prática tratava-se de contabilisticamente transformar verdadeiros incobráveis ou invendáveis em aparentes lucros que, com essa máscara legal de lucros, eram rapidamente distribuídos e esbanjados pela corja do costume ou utilizados em novos negócios.

 

Este "negócio" tinha um limite: os capitais próprios dos bancos. Mas isso não foi obstáculo à sua continuação: depressa a propaganda do "elevado  e seguro rendimento" que esses fundos garantiriam, trouxe novos capitais frescos. Aqui teve de haver uma certa conivência (ou conveniência) tanto do banco central americano como das empresas que classificam o risco.

 

Na realidade não se tratou propriamente de conivência ou mesmo conveniência, foi antes o cumprimento do verdadeiro desígnio da sua (do banco central, chamado reserva federal, e das empresas de classificação de risco) criação e existência. 

 

Esse estímulo institucional adicional levou a que a subscrição pública de títulos desses fundos fosse um êxito não só entre incautos investidores particulares como mesmo entre investidores "institucionais".

 

E aqui é preciso dizê-lo, se a avareza, a "ambição" ou a ilusão da facilidade podem justificar a actuação dos subscritores particulares, os investidores institucionais (para além dessas primeiras razões) foram levados pela necessidade absoluta de o fazerem sob pena de serem absorvidos por aqueles que já o tinham feito antes.

 

A realidade do capitalismo é essa: ou comes ou és comido. E quanto mais alta a parada, mais assim funciona. A moral, nos negócios, há muito que foi enterrada. Na verdade, as "concentrações", aquisições, etc. dos últimos anos resultaram em grande medida dessa diferença entre os que arriscaram nos "novos produtos" e os que se deixaram ficar pelos "pouco rentáveis" produtos tradicionais.

 

Este é um vislumbre da auto-fagose do capitalismo. Auto-fagose essa que, em si, não é problema mas que, sim é problema, porque trás sempre consigo a miséria e a fome para povo (e muitas vezes também a guerra e a morte). Ainda agora estamos no dealbar da crise e já essas consequências se fizeram sentir para mais de 50.000 americanos que trabalhavam neste sector em particular e que foram imediatamente (nas primeiras três semanas após o despoletar da crise) despedidos.

 

É claro tudo funcionou às mil maravilhas enquanto os novos capitais entrados no sistema por subscrição pública chegaram para comprar aos bancos os bens imóveis que iam espoliando aos seus clientes. Tudo passou a correr mal quando a fonte secou e as vendas de bens imóveis tiveram que começar a ser feitas para fora do sistema. Aí o valor da carteira de bens imóveis pertencentes aos fundos teve que ser questionado e parte esboroou-se. Mas o "sofrimento"  para os beneficiários do esquema, que já tinham dado cabo da concorrência e "diversificado" os investimentos, foi nulo. Tanto mais que os bancos centrais lhes acudiram "injectando" a liquidez que passaram a necessitar. Na verdade o processo foi um pouco mais indirecto. O objectivo aparente foi outro, o de "salvar" o sistema financeiro mundial. O resultado real, bem mais mesquinho, o simples adiamento da crise e o salvamento dos especuladores. Adiamento esse que tornará pior o tombo amanhã. Não dos especuladores, que estão bem e , com esta ajuda dos bancos centrais, amanhã estarão melhor, mas dos trabalhadores que pagarão um novo imposto que vai ser uma inflação cada vez maior.

Mas para tudo há remédio e está nas nossas mãos: a revolução socialista. 

 

NACIONALIZAÇÃO DE TODA A BANCA!

ABAIXO O CAPITALISMO!

A ÚNICA SOLUÇÃO É O SOCIALISMO!

 

publicado por portopctp às 18:54
endereço do artigo | comentar | ver comentários (1) | favorito

artigos recentes

OBAMA ASSASSINO!

Duas comemorações

Manobras

A recente crise

Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


pesquisar neste blogue

 

mais sobre nós

deixe uma mensagem

escreva aqui

arquivos

Setembro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Maio 2016

Março 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Outubro 2014

Setembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

visitas a partir de 28 de Novembro de 2013

contador

artigos sobre

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds